OPERAÇÃO CHECK LIST: Polícia e MP apura grupo de servidores do DF por fraude em vistoria de ônibus

Operação Check List realizada na manhã desta sexta-feira (01/09), pela Polícia Civil do DF. Foto: Tv Globo

Esquema envolve principalmente cooperativas, diz investigação. Servidores investigados são da Secretaria de Mobilidade.

Por Redação

Polícia Civil e o Ministério Público do Distrito Federal fazem uma operação nesta sexta-feira 1º) para apurar a existência de uma organização criminosa envolvendo servidores públicos da Secretaria de Mobilidade por fraudar a vistoria de ônibus. Segundo as investigações, as irregularidades afetam principalmente cooperativas.

Ao todo, são cumpridos 14 mandados de prisão temporária e 16 de busca e apreensão. Também há dois mandados de condução coercitiva – quando a pessoa é levada a depor. A Secretaria de Mobilidade informou que a denúncia foi recebida na Ouvidoria da pasta e que logo foi encaminhada à polícia.

As apurações indicam que os funcionários do setor de fiscalização da secretaria estariam recebendo propina para deixar de vistoriar coletivos que não poderiam mais circular. A pasta se chama Subsecretaria de Fiscalização, Auditoria e Controle (Sufisa).

Batizada de “Check list”, a operação ocorre de forma simultânea em Planaltina, Samambaia, Park Way, Ceilândia, Vicente Pires, Paranoá e Recanto das Emas.

Segundo os investigadores, parte dos investigados pedia dinheiro para liberar o “selo de vistoria” a cooperativas que quisessem manter os automóveis rodando e livres de fiscalização. Na prática, o selo dizia que o veículo tinha perfeita condição de circular, mesmo sem ser o caso.

A cobrança de propina teria se tornado corriqueira no setor, apontam as denúncias. Nas vistorias, são analisados pontos como eixo, motor, pneu, óleo, pintura, catracas, elevadores e validadores.

Os alvos são Willians Fonseca, Willian Ney Rosa, Edson Sousa de Oliveira e Carlos Pereira Rosa. Presidentes de cooperativas e o cabo eleitoral Valdir Luiz França são apontados como “corruptores”. França é explorador de transporte clandestino em Planaltina. A reportagem não localizou a defesa deles.

A operação é realizada pela 2ª Promotoria de Defesa do Patrimônio Público e pela Coordenação de Repressão a Crimes contra Fraude (Corf), da Polícia Civil. A Justiça acatou pedido da Corf e da Prodep de busca e apreensão nos endereços dos investigados para recolher aparelhos celulares, dinheiro em espécie, documentos e carros, especialmente uma caminhonete modelo GM, ano 2001, que teria usada como pagamento de propina. A Polícia ainda procura uma arma de fogo que estaria em poder de Valdirzão.

Da Redação com informações do G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here