Saúde torna obrigatório registro de compras de medicamentos adquiridos para o SUS

Medida do MS visa dar maior transparência no processo, além de ter potencial de aumentar a concorrência, já que todos poderão conhecer preços praticados em todo o país

Por Redação

Foto: reprodução

Todas as compras de medicamentos realizadas no país para o abastecimento do SUS terão seus preços registrados em sistema online. A resolução, publicada no Diário Oficial da União, vale para o Ministério da Saúde (MS), estados, municípios e Distrito Federal que, agora, passam a alimentar de forma obrigatória o Banco de Preços em Saúde (BPS): ferramenta online, gratuita e de acesso aberto ao público desenvolvida pelo governo federal. Ao dar transparência ao uso dos recursos públicos e conhecimento dos preços praticados em todo território nacional, o banco vai proporcionar o aumento da concorrência e maior condições para a negociação de preços junto aos fornecedores e fabricantes, gerando economia para o sistema de saúde.

Leia mais

Conselho quer descentralização da Saúde no DF

Por Redação

Foto: Agenda Capital

O Conselho de Saúde do DF (CSDF), vem lutando pela descentralização na Saúde do DF como forma de desburocratizar os processos de compras nas Regionais e agilizar as demandas para melhor atender os usuários em suas necessidades.  A proposta foi aprovada em várias conferencias e vem sendo discutida de forma constante em todos os Conselhos Regionais, como saídas para organizar os processos administrativos na saúde.

Leia mais

Saúde define nova forma de repasse a estados e municípios para compra de medicamentos da atenção básica

Foto: reprodução

A partir de agosto, estados e municípios terão um incremento de 10% para a compra de medicamentos da atenção básica do SUS, equivalente a R$ 100 milhões por ano. O anúncio foi feito pelo ministro da Saúde, Ricardo Barros, nesta terça-feira (6), em Brasília (DF).

Leia mais

Câmara Legislativa promove seminário sobre Gestão da Saúde Pública no DF e deixa críticos de fora

Por Redação

Seminário sobre a saúde na CLDFNesta sexta-feira (05) a partir das 08h30, a Câmara Legislativa do DF (CLDF) realiza seminário para discutir a gestão da Saúde Pública no DF. Dentre os temas que serão abordados, está o PL 1.486/17 de autoria do Executivo, que transforma o Hospital de Base em Instituto. A iniciativa do seminário, é do presidente da CLDF, deputado Joe Valle (PDT).

Por motivos desconhecidos, não foi convidado nenhum representante dos Sindicatos e nenhum técnico ligado a área da Saúde, para fazer o contraponto. Causa estranhamento os oradores escolhidos, haja visto o envolvimento de alguns, em supostas irregularidades, pelos diversos órgãos por onde passaram.

Leia mais

Ministro da Saúde quer fila única em cada estado para cirurgias eletivas no SUS

Por Redação

Ricardo-Barros-MS jpg
Foto: reprodução internet

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, disse hoje (27) que a pasta pretende criar uma espécie de fila única estadual para realizar cirurgias eletivas no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Cada estado terá 40 dias para fazer o levantamento de dados e enviar as informações ao governo federal.

Leia mais

Frejat x Maninha: Como resolver os problemas do DF na visão de dois ex-secretários

Por Chico Santana

frejat-e-maninha
Foto: reprodução internet

Na história de Brasília, dois grandes momentos marcaram a assistência à Saúde no Distrito Federal. O primeiro deles aconteceu na década de 1970, ainda no período da Ditadura Militar, quando a Secretária de Saúde, sob o comando de Jofran Frejat, inspirada no modelo inglês instalou uma rede de centros de Saúde na Capital Federal. O segundo momento, com a democracia já reinstaurada, se deu na segunda metade dos anos 90, sob o comando de Maria José Maninha, foi criado o programa Saúde em Casa, inspirado no sistema cubano de assistência.

Leia mais

Judicialização na saúde prejudica serviços no SUS, diz Ricardo Barros

A judicialização na saúde deve ser combatida para que o governo consiga cumprir o que o SUS prevê, segundo o ministro da Saúde, Ricardo Barros.

Ricardo-barros-judicializaçãoO ministro da Saúde  Ricardo Barros, fez a abertura, nesta terça (28), do segundo dia de debates do 4° Fórum Saúde do Brasil, que tem como temas a prevenção e a transparência. De acordo com Barros, as prioridades da sua gestão são a informatização e a prevenção em saúde.

Leia mais

Ministério da Saúde estuda vacinar todas as crianças do País contra febre amarela

Vacina atualmente é aplicado apenas em áreas consideradas de risco; discussão será feita depois que surto atual for encerrado

vacinacao_contra_febre_amarelaO Ministério da Saúde vai discutir a incorporação da vacina contra febre amarela para crianças de todo o País. Atualmente, o imunizante é indicado para maiores de seis meses que vivem em áreas consideradas de risco.

Leia mais

Sucateamento na Saúde põem SUS em risco

Brasília - O ministro da Saúde Ricardo Barros, fala sobre a capacidade de atendimento das UPAS 24Hs, durante entrevista a imprensa (Marcello Casal Jr/Agência Brasil)
Brasília – O ministro da Saúde Ricardo Barros, fala sobre a capacidade de atendimento das UPAS 24Hs, durante entrevista a imprensa (Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

O sucateamento sistemático da principal ferramenta de fiscalização do Sistema Único de Saúde (SUS) tem levantado cada vez mais questionamentos sobre os objetivos da gestão do ministro da Saúde, Ricardo Barros (PP), dentro do governo de Michel Temer (PMDB). De forma unilateral e sem debate, o ministério mudou a estrutura do Departamento de Auditoria do SUS (Denasus), fragilizando o órgão cuja missão é justamente zelar pelos recursos públicos na rede de atendimento. Na sequência, o governo publicou uma medida provisória que retira a estabilidade legal para o trabalho dos mesmos fiscais.

Leia mais

Atores fazem paródia de carnaval sobre a Saúde no País

Por Delmo Menezes

Um vídeo divulgado a algum tempo e que se tornou “viral” nas redes sociais, apresenta de forma bem humorada a situação crítica da saúde no Brasil, em forma de marchinhas de carnaval.

No vídeo, os atores falam sobre o péssimo atendimento nos hospitais e Upas, citando filas longas, falta de remédios, poucos médicos e enfermeiros, ausência de ambulâncias, falta de leitos para gestantes e centro cirúrgico lotado.

Leia mais