Policial civil mata PM a tiros após confusão em boate no DF

Tenente Herison. Foto: Divulgação

Crime ocorreu no Barril 66, às margens da EPNB. Uma mulher ficou ferida e está internada no Hospital de Base

Por Redação / Metrópoles

Um policial civil é acusado de matar a tiros um PM na casa noturna Barril 66, às margens da Estrada Parque Núcleo Bandeirante (EPNB). Uma mulher também ficou ferida pelos disparos feitos dentro do estabelecimento e precisou ser levada ao Hospital de Base do DF (HBDF). Não há informações sobre o estado de saúde dela.

O crime ocorreu por volta das 3h desta segunda-feira (15/04/19). A vítima é o primeiro-tenente Herison Oliveira Bezerra (foto em destaque), que era lotado no 10º Batalhão de Polícia Militar (Ceilândia). O oficial levou três tiros no tórax, chegou a ser levado ao Hospital Regional de Taguatinga (HRT), mas não resistiu aos ferimentos.

Câmeras de segurança da boate mostram o momento dos disparos. Nas imagens é possível ver o policial militar passando em frente ao agente. Eles se esbarram e o policial civil saca a arma e atira. O PM chega a pegar a pistola, mas é alvejado. Aos delegados, o acusado alegou legítima defesa.

Segundo testemunhas, os dois já haviam discutido antes de ocorrerem os disparos. O militar teria ido ao banheiro e o agente ficou esperando na porta. O autor foi identificado como Péricles Junior, lotado na 14ª Delegacia de Polícia (Gama).

De acordo com a PM, o policial civil assumiu o crime e foi conduzido preso para a 21ª DP (Taguatinga Sul), responsável por investigar o caso. Antes, teria tentado fugir, mas foi contido por uma guarnição da Polícia Militar.

De acordo com informações preliminares, a confusão entre os envolvidos teria ocorrido após um esbarrão. Os disparos foram feitos por uma arma calibre .40. A esposa do PM quase foi atingida. Na imagens flagradas pelas câmeras de segurança, tentando socorrer a vítima, que deixa um filho adolescente.

O policial civil está sendo ouvido pela Corregedoria da corporação na manhã desta segunda (15). No momento dos disparos, a boate estava lotada. O estabelecimento tem capacidade para 1,5 mil pessoas.

O vendedor ambulante Elias Rocha, 65, vende pastéis em frente à boate Barril 66 e presenciou o momento em que as pessoas saíram da boate desesperadas, na madrugada desta segunda. “Cheguei por volta das 3h e vi muita gente sair desnorteada lá de dentro. Logo depois, chegaram diversas viaturas da PM e eles trouxeram o policial detido que ainda estava na festa. Vira e mexe tem confusão nesse estabelecimento, mas nunca  soube de morte lá dentro, antes”, contou.

Aguarde mais informações!

Da Redação com informações do Metrópoles

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here