Indicado pelo PR, ministro dos Transportes será secretário no DF

Futuro secretário dos Transportes, Valter Casimiro. Foto: Reprodução

Por Ana Maria Campos

Servidor de carreira do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes (DNIT), o atual ministro dos Transportes, Valter Casimiro, será o próximo secretário de Transportes do DF. O convite passa por duas metas de Ibaneis Rocha: prestigiar nomes com projeção nacional e atender aliados políticos. Casimiro é um técnico que chegou ao cargo no governo Temer por indicação do PR, ao substituir Maurício Quintela Lessa (PR/AL), em abril, que se desincompatibilizou para concorrer ao Senado. Com a escolha, Ibaneis atende o partido de Jofran Frejat, do ex-governador José Roberto Arruda e da deputada federal eleita Flávia Arruda.

Duas secretarias

A deputada Celina Leão (PP) não ficou fora do governo Ibaneis Rocha. Ela ainda pode indicar o secretário de Mobilidade. Há uma discussão sobre criar a pasta. Haveria a de Transportes, para a gestão do sistema, e a de Mobilidade, voltada a obras de infraestrutura. O coordenador da campanha de Celina, Jaime Alarcão, é cotado para essa vaga. Mas a divisão das funções ainda desperta polêmica e pode ser recusada pelo futuro secretário de Transportes, Valter Casimiro.

Mais uma

Outra secretaria ainda sem dono: a de Cidadania.

Parabéns!

O governador Rodrigo Rollemberg (PSB) não irá à posse da procuradora-geral de Justiça do DF, Fabiana Costa, nesta manhã. Ele telefonou para explicar que estará, na hora da cerimônia, em São Paulo. Mas desejou muito sucesso na gestão.

Na pauta

Ibaneis Rocha fez uma visita de cortesia à futura chefe do Ministério Público do DF, Fabiana Costa, mas os assuntos polêmicos ainda não foram discutidos. Na mesa de debates, devem surgir temas importantes, como saúde, transporte e educação. Mas só depois da posse. Na solenidade desta manhã, Ibaneis também não deve ir.

PM também quer

Já começou a movimentação entre policiais militares em relação aos benefícios que o governador eleito Ibaneis Rocha (MDB) prometeu à Polícia Civil do DF. Depois que a coluna divulgou ontem que o envio da mensagem ao Congresso com a paridade deve ser anunciado na posse do novo diretor-geral da PCDF, Robson Cândido, o tom entre PMs foi: “também queremos!”

Parlamentar virtual

Eleito com 65 mil votos, o deputado Luís Miranda (DEM/DF) vai ser o digital influencer do Congresso. Morando em Miami há mais de quatro anos, ele não desgruda das redes sociais. Vai transmitir sessões pelo celular sempre que houver polêmicas. E não esconde: quer ser presidente do Brasil. Por enquanto, a maior tristeza mesmo é só por manter o Mustang distante das pistas de Brasília, na sua garagem na Florida.

No pedal

O governador eleito Ibaneis Rocha aproveita os fins de semana de descanso para pedalar. No último domingo, juntou um pelotão e fez um percurso saindo da QI 11 do Lago Sul, passando pelo Eixão Sul e Norte, Setor de Clubes, UnB, Ponte JK até a QI 11 novamente. Foram 40 km em cima da bike.

Quem resiste…

O futuro secretário de Saúde, Osnei Okumoto, fez um lanche ontem na hora do almoço no McDonalds do Eixo Monumental. Na pressa, foi de fast food.

Para Raquel Dodge, PM pode lavrar TCs

No debate travado em todo o país entre policiais civis e militares sobre quem tem autoridade para lavrar termos circunstanciados de ocorrência de crimes de baixo potencial ofensivo, a Procuradoria-geral da República dá razão à PM. Em parecer anexado à ação direta de inconstitucionalidade (adin) em tramitação no STF, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, trata do assunto no processo que pode disciplinar o tema em todos os estados, a depender da decisão do plenário do Supremo. O processo tramita sob a relatoria do ministro Edson Fachin, em ação proposta pela Associação dos Delegados de Polícia do Brasil.

Parecer vai além

No parecer, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, aponta: “Considerando que se tratam de infrações penais de menor potencial ofensivo, se a polícia militar é capaz de identificar a infração penal e atuar para sua contenção, ela é igualmente capaz de registrá-la”. Em seu parecer, Dodge ressalta, inclusive, que já há entendimento no STF de que o poder de investigação não é de competência exclusiva das polícias judiciárias.

A pergunta que não quer calar….

Na transição, a brincadeira agora, depois de 10 nomes do governo federal confirmados na equipe de Ibaneis Rocha, é: para onde irá o próprio presidente Michel Temer?

Da Redação com informações da Coluna Eixo Capital/CB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here