Deputada federal Paula Belmonte (Cidadania-DF). Foto: Delmo Menezes / Agenda Capital

Atividade legislativa terá como foco aprovação das reformas tributária e administrativa, aprovação da prisão em segunda instância e fim dos supersalários e do foro privilegiado

Por Redação

A deputada federal Paula Belmonte (Cidadania), tem procurado nos dois primeiros anos de mandato manter uma postura coerente no parlamento. De acordo com a parlamentar, em 2021, pretende manter o foco na aprovação das reformas tributária e administrativa. As crianças também terão um lugar especial na agenda da parlamentar. Criadora e coordenadora da Comissão Externa de Políticas para a Primeira Infância, Paula vai trabalhar pela aprovação de medidas para melhorar a vida das crianças de zero a seis anos.

Paula Belmonte subscreveu uma carta assinada por vários parlamentares com os compromissos que o próximo presidente da Câmara, que será escolhido no dia 1º de fevereiro, deverá pautar sua gestão. Entre os compromissos defendidos por Paula Belmonte estão, além das reformas, aprovação da prisão em segunda instância, privatizações e fim dos supersalários e do foro privilegiado.

Integrante da Comissão Mista da Reforma Tributária, Paula Belmonte se reuniu com empresários do Distrito Federal em 2020 para ouvir suas necessidades em relação à reforma tributária. O que a maior parte deles pediu foi transparência, simplificação e segurança jurídica.

“Nada melhor que ouvir quem está na ponta e lida cotidianamente com a questão dos tributos. Vou trabalhar por uma reforma que contemple justamente o que os empresários me pediram, que foi transparência, simplificação e segurança jurídica. Se ao final alcançarmos aprovar uma reforma que torne mais racional o sistema tributário, todos vão ganhar. Os empresários vão gerar mais riqueza e a população terá mais empregos”, disse a deputada.

A reforma administrativa também será prioridade para a deputada. “Precisamos de uma reforma administrativa que valorize o servidor público e corrija as injustiças. Essa será uma das nossas lutas para 2021”. 

Paula Belmonte apresentou propostas complementares à reforma, tais como a PEC 192/12, que limita a 30 dias o período de férias para todos os servidores públicos. “As férias de até 60 dias que alguns agentes públicos possuem é mais um privilégio que precisa acabar, todos os trabalhadores devem ter direitos iguais”.

Da Redação do Agenda Capital

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here