Aeroporto de Porto Alegre foi atingido pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Anac determinou que companhias aéreas parem de vender passagens para capital do Rio Grande do Sul; voos para outras cidades gaúchas e de Santa Catarina estão em ampliação

Por Redação

Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) determinou nesta terça-feira, 14, que as companhias aéreas suspendam imediatamente a venda de passagens com origem ou destino para o Aeroporto Internacional Salgado Filho, de Porto Alegre, por tempo indeterminado. O local está fechado para voos após a capital do Rio Grande do Sul ser atingida pela maior enchente de sua história.

Em nota, a agência apontou que a suspensão ocorre com o objetivo de “resguardar os interesses dos usuários do transporte aéreo”. A medida envolve voos com embarque ou desembarque na cidade. “A proibição da comercialização de passagens, que vigorará até nova avaliação pela agência, abrange todos os canais de comercialização, inclusive sistemas que disponibilizem vendas por terceiros, como agências de viagem e outros intermediários que possam comercializar os bilhetes”, completou.

A concessionária responsável pelo aeroporto, a Fraport, tem destacado que somente será possível averiguar todos os danos causados pela inundaçãorecorde após a redução dos alagamentos. As águas invadiram o primeiro pavimento, a pista e o estacionamento do espaço, localizado na zona norte. Os pousos e decolagens estão suspensos desde 3 de maio.

Malha aérea emergencial vai criar 116 novos voos semanais no RS e em SC

O Governo Federal anunciou uma malha aérea emergencial na sexta-feira, 10. A primeira fase envolverá 116 novos voos semanais, dos quais 88 no Rio Grande do Sul e 28 em Santa Catarina. O plano abrange aeroportos regionais, além do terminal da capital catarinense. Há a previsão de uma segunda expansão.

A expansão considera também a operação provisória da Fraport na Base Aérea de Canoas. Essa mudança exigirá adaptações de logística. O aeródromo da Força Aérea Brasileira (FAB) na região metropolitana tem recebido aeronaves com mantimentos, equipamentos e outros reforços diante do maior desastre climático do Estado.

A previsão é que Canoas receba até cinco voos por dia. Além disso, a expansão envolve a operação de aeronaves de maior porte em Chapecó, no interior de Santa Catarina.

A ampliação da malha tem sido paulatina. No sábado, 11, a Gol, a Latam e a Azul implantaram novos voos para Passo Fundo, Santo Ângelo e Caxias do Sul. Na segunda-feira, 13, viagens adicionais ocorreram com destino a Passo Fundo, Santo Ângelo, Santa Maria, Uruguaiana e Caxias do Sul, de acordo com o governo federal.

Aeroporto Internacional Salgado Filho foi atingido pela enchente Foto: Fraport/Divulgação 

A primeira fase envolve os seguintes voos semanais extras:

  • Canoas (RS): 35 voos semanais extras (a partir da base aérea);
  • Caxias do Sul (RS): 25 voos semanais extras;
  • Florianópolis (SC): 21 voos semanais extras;
  • Passo Fundo (RS): 16 voos semanais extras;
  • Jaguaruna (SC): 7 voos semanais extras;
  • Pelotas (RS): 5 voos semanais extras;
  • Uruguaiana (RS): 3 voos semanais extras;
  • Santo Ângelo (RS): 2 voos semanais extras;
  • Santa Maria (RS): 2 voos semanais extras.

De acordo com a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), as companhias ampliaram de 7 mil para 17 mil o total de assentos em voos semanais para seis aeroportos do interior gaúcho. A expansão foi de mais 3 mil em Santa Catarina. Os novos voos têm embarque ou desembarque em aeroportos do Rio de Janeiro e de São Paulo.

“Como parte do esforço para atender a população do estado, as associadas Abear aguardam a adequação da infraestrutura da Base Aérea de Canoas para aumentar a oferta também neste aeródromo”, acrescentou.

Segundo balanço da Defesa Civil das 18h desta terça, mais de 2,1 milhões de pessoas em 446 municípios foram afetadas pelas enchentes. Do total, ao menos 79,4 mil estão em abrigos e outras 538,2 mil na casa de amigos, parentes e conhecidos.

Procurado pelo Estadão, o Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea) da FAB indicou que a interdição do aeroporto porto-alegrense está oficialmente em vigor até 30 de maio. O comunicado destaca que a vigência pode ser ampliada “caso seja solicitada pela concessionária do aeroporto, o que não ocorreu até o momento”.

Por enquanto, não há previsão de expansão para os demais aeroportos regionais gaúchos, em Torres, Capão da Canoa, Canela, Erechim, Carazinho e Rio Grande.

Tem voo para Porto Alegre? Veja o que diz Anac

A agência afirmou, em nota, que as companhias aéreas não poderão cobrar taxa pela remarcação de voos para uma data com diferença de até um ano da original. “O reembolso ou crédito por cancelamento de voos com destino final alterado será total, sem cobrança de taxas”, destacou.

Segundo a Anac, a prioridade deverá ser para a remarcação de passageiros com voo de volta pendente, com embarque ou desembarque originalmente da capital gaúcha. “As empresas aéreas devem se empenhar para, dentro do possível, transportar os passageiros para o aeroporto mais próximo do local de interesse deles”, destacou na nota.

“A prioridade de atendimento é para os passageiros com bilhetes já emitidos. A opção de reembolso do valor da passagem deve ser oferecida ao passageiro também em dinheiro, e não apenas em crédito para utilização futura”, concluiu.

O que dizem as companhias aéreas?

A reportagem procurou as três principais companhias aéreas do País. Até o momento, recebeu retorno da Latam e da Gol.

Em nota, a Latam afirmou que as passagens com saída e chegada em Porto Alegre podem ser transferidas gratuitamente para Florianópolis, Caxias do Sul e Jaguaruna. A outra opção é o pedido de reembolso. “O cliente que já possui passagem adquirida para Caxias do Sul e Passo Fundo deve conferir o status do seu voo antes de se dirigir ao aeroporto”, acrescentou.

A companhia aérea destacou a previsão de 126 voos extras para Jaguaruna, Florianópolis e Caxias do Sul no período de 10 a 31 de maio. “A medida foi tomada para manter Porto Alegre e a sua região metropolitana conectada com o restante do Brasil e atendida em suas necessidades de transporte de pessoas e cargas por meio de aeroportos próximos”, concluiu.

Já a Gol respondeu que seguiu a determinação de suspensão de vendas. A companhia tem indicado aos passageiros a possibilidade de migração das reservas para Florianópolis, Passo Fundo, Caxias do Sul e Chapecó, sem a cobrança de taxa. Também diz estar seguindo a determinação de reembolso gratuito.

Sobre ampliação da malha aérea, indicou novos voos para Caxias do Sul, Florianópolis e Passo Fundo, além de priorizar a operação de aeronaves de maior porte em Chapecó. “Florianópolis tem sido um dos principais pontos de apoio para clientes afetados pelos cancelamentos em Porto Alegre e foi escolhida devido à infraestrutura aérea e terrestre para receber mais passageiros e cargas”, destacou. Segundo a companhia, a ampliação de oferta de passagens é de 15% na capital catarinense.

Em Passo Fundo, no norte gaúcho, o aumento de assentos será de 195%. Em vez de três voos semanais, o município passará a ter viagens diárias, com aeronaves maiores (com 48 assentos a mais do que as geralmente utilizadas nessa rota). Detalhes sobre a expansão em Caxias do Sul não foram veiculados até o momento.

Siga o Agenda Capital no Instagram>https://www.instagram.com/agendacapitaloficial/

Com Estadão

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here