Trump promete retomar um sistema em que o presidente tem o poder de se recusar a gastar dinheiro que o Congresso destinou para programas que o presidente não gosta Foto: Julia Nikhinson.

Planos de ex-presidente incluem colocar tropas em cidades governadas por democratas e aumentar os poderes presidenciais

Por Charlie Savage / Jonathan Swan / Maggie Haberman (The New York Times)

Donald Trump e seus aliados mais próximos estão se preparando para uma remodelação radical do governo americano caso ele retome a Casa Branca. Aqui estão alguns de seus planos para reprimir a imigração, direcionar o Departamento de Justiça para processar seus adversários, aumentar o poder presidencial, reverter as políticas comerciais dos EUA, recuar do engajamento militar com a Europa e implantar unilateralmente tropas em cidades governadas por democratas.

Reprimir a imigração ilegal de maneira extrema

Trump planeja uma expansão de sua repressão à imigração do primeiro mandato, caso retorne ao poder em 2025. Entre outras coisas, ele pretende:

  1. Realizar deportações em massa: O principal assessor de imigração de Trump, Stephen Miller, disse que um segundo governo do ex-presidente buscaria um aumento dez vezes maior no volume de deportações — para mais de um milhão por ano.
  2. Aumentar o número de agentes para operações feitas pelo Controle de Imigração e Alfândega: Ele planeja realocar agentes federais e a Guarda Nacional para o controle da imigração. Também permitiria o uso de tropas federais para apreender migrantes.
  3. Construir campos para deter imigrantes: A equipe de Trump planeja usar fundos militares para construir “vastas instalações de detenção” para manter os imigrantes enquanto seus casos de deportação avançam.
  4. Pressionar outros países para aceitar candidatos a asilo dos Estados Unidos: Trump planeja reviver acordos com países da América Central e expandi-los para a África e outros lugares. O objetivo é enviar pessoas que buscam asilo para outros países.
  5. Proibir novamente a entrada nos Estados Unidos de pessoas de certas nações de maioria muçulmana: Ele planeja suspender o programa de refugiados do país e, mais uma vez, proibir a entrada de visitantes de países majoritariamente muçulmanos, reinstalando uma versão do banimento de viagem que o presidente Biden revogou em 2021.
  6. Tentar acabar com a “cidadania por nascimento”: Sua administração declararia que crianças nascidas de pais sem documento americanos não têm direito à cidadania e cessaria a emissão de documentos como cartões de Seguro Social e passaportes para elas.

Usar o Departamento de Justiça para processar seus adversários

Trump declarou que usaria os poderes da presidência para buscar vingança contra seus inimigos. Seus aliados desenvolveram uma justificativa legal para apagar a independência do Departamento de Justiça em relação ao presidente. Trump sugeriu que iria:

  1. Dirigir uma investigação criminal contra Biden e sua família: Como presidente, Trump pressionou o Departamento de Justiça a investigar seus inimigos. Se reeleito, ele prometeu nomear um procurador especial “para ir atrás” de Biden e sua família.
  2. Indiciar adversários por desafiá-lo politicamente: Ele citou o precedente de suas próprias acusações para declarar que, se ele se tornasse presidente novamente e alguém o desafiasse politicamente, ele poderia dizer: “Vá lá e os denuncie.”
  3. Bombardear jornalistas com processos: Kash Patel, um confidente de Trump, ameaçou alvejar jornalistas com processos se Trump retornasse ao poder. A campanha, posteriormente, distanciou Trump dessas declarações.

Aumentar o poder presidencial

Trump e seus aliados têm um objetivo amplo de alterar o equilíbrio de poder, aumentando a autoridade do presidente sobre cada parte do governo federal que atualmente opera independentemente da Casa Branca. Trump disse que irá:

  1. Trazer agências independentes para o controle presidencial: O Congresso criou várias agências regulatórias para operar independentemente da Casa Branca. Trump prometeu trazê-las para o controle presidencial, configurando uma potencial disputa judicial.
  2. Reviver a prática de “restringir” fundos: Ele prometeu retornar a um sistema em que o presidente tem o poder de se recusar a gastar dinheiro que o Congresso destinou para programas que o presidente não gosta.
  3. Retirar proteções de emprego de dezenas de milhares de servidores públicos de longa data: Durante a presidência de Trump, ele emitiu uma ordem executiva tornando mais fácil demitir funcionários de carreira e substituí-los por servidores leais. Biden a rescindiu, mas Trump disse que a reemitiria em um segundo mandato.
  4. Expurgar servidores das agências de inteligência, de segurança, do Departamento de Estado e do Pentágono: Trump desprezou os trabalhadores de carreira em agências envolvidas em segurança nacional e na política externa como se fossem um “estado profundo” maligno que ele pretende destruir.
  5. Nomear advogados que considerem sua agenda legal: Advogados nomeados politicamente na primeira administração Trump às vezes levantaram objeções às propostas da Casa Branca. Vários de seus conselheiros mais próximos estão agora vetando advogados vistos como mais propensos a adotar teorias legais agressivas sobre o alcance de seu poder.

Expandir agressivamente seus esforços do primeiro mandato para reverter as políticas comerciais dos EUA

Trump planeja expandir drasticamente o uso de tarifas em um esforço para afastar o país da integração com a economia global e aumentar os empregos e salários da manufatura americana. Ele disse que irá:

  1. Impor uma “tarifa básica universal,” um novo imposto sobre a maioria dos bens importados: Trump disse que planeja impor uma tarifa sobre a maioria dos bens manufaturados no exterior, sugerindo uma taxa de 10% para o novo imposto de importação. Além de aumentar os preços para os consumidores, essa política poderia causar uma guerra comercial global.
  2. Implementar novas restrições comerciais drásticas à China para separar as duas maiores economias do mundo: Ele disse que irá “eliminar todas as importações chinesas” de eletrônicos e outros bens essenciais, além de impor novas regras para impedir que empresas americanas façam investimentos na China.

Retirar-se do engajamento militar com a Europa

Trump há muito deixou claro que vê a Otan, a aliança militar mais importante do país, não como um multiplicador de forças com aliados, mas como um dreno dos recursos americanos por parasitas. Ele disse que irá:

  1. Potencialmente enfraquecer a Otan ou retirar os Estados Unidos da aliança: Enquanto estava no cargo, ele ameaçou retirar-se da Otan. Em seu site de campanha, ele diz que planeja reavaliar fundamentalmente o propósito da Otan, alimentando a apreensão de que poderia desmantelar ou acabar com a aliança.
  2. Resolver a guerra Rússia-Ucrânia “em 24 horas”: Trump afirmou que acabaria com a guerra na Ucrânia em um dia. Ele não disse como, mas sugeriu que teria feito um acordo para evitar o conflito, deixando a Rússia simplesmente tomar terras ucranianas.

Usar força militar no México e em solo americano

Trump tem sido mais claro sobre seus planos de usar a força militar dos EUA mais próxima ao território americano. Ele disse que iria:

  1. Declarar guerra aos cartéis de drogas no México: Ele lançou um plano para combater os cartéis de drogas mexicanos com força militar. Violaria o direito internacional se os Estados Unidos usassem forças armadas no solo mexicano sem o consentimento do país.
  2. Usar tropas federais na fronteira: Embora geralmente seja ilegal usar o exército para aplicação da lei doméstica, a Lei da Insurreição cria uma exceção. A equipe de Trump invocaria essa lei para usar soldados como agentes de imigração.
  3. Usar tropas federais em cidades controladas por democratas: Trump quase usou militares da ativa para reprimir protestos por justiça racial que às vezes descambavam para motins em 2020 e permanece atraído pela ideia. Ele afirmou que, numa próxima vez, enviaria forças federais para trazer ordem às cidades governadas por democratas.

Siga o Agenda Capital no Instagram>https://www.instagram.com/agendacapitaloficial

Redação do Agenda Capital (via Estadão)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here